O Sudário de Turim

by · 01/06/2016

O sudário é um pano de linho com 4,42 metros de comprimento e 1,13 metros de largura que teria sido utilizado para envolver o corpo de Jesus Cristo após a sua crucificação.

Foto: Oratorio Beato Piergiorgio Frassati

Segundo o Evangelho, José de Arimateia depôs o corpo de Jesus no sepulcro depois de tê-lo envolvido num lençol.

O primeiro registro histórico do sudário é de 1354, quando foi entregue a uma igreja na cidade francesa de Lirey pelo conde Godofredo de Charny.

Em 1535, três anos depois de ter escapado de um incêndio na capela de Chambéry, foi transferido para a catedral de Turim.

Em 1898, com o propósito da comemoração dos 400 anos da catedral de Turim e dos 50 anos da constituição Estatuto Albertino, foi organizada uma documentação fotográfica para promover a exposição das imagens do sudário. O fotógrafo escolhido foi Secondo Pia que tirou as fotos ainda hoje conhecidas do sudário e viveu um momento de intensa emoção quando viu formar-se no negativo fotográfico a figura de um homem.
O santo sudário de TurimOs traços impressos sobre o sudário são de quatro tipos:

  • sinais de carbonização da tela: o lençol, além de pequenos furos de origem incerta, apresenta duas linhas paralelas longitudinais mais escuras com 29 buracos triangulares causados por uma gota de metal fundido da urna onde estava guardado o lençol dobrado durante o incêndio na capela de Chambéry em 1532;
  • manchas de água escorrida: vestígios circulares deixados pela água usada para apagar o incêndio de 1532;
  • imagem em claro-escuro de uma figura humana de estatura superior a um metro e setenta: no meio da tela é visível a impressão dorsal e frontal do cadáver de um homem. A imagem é bem realista devido ao efeito da coloração que varia em relação ao relevo do corpo envolvido: é mais intensa nas partes salientes como a testa, o nariz, o queixo e o peito e menos evidente nas outras partes;
  • manchas de sangue: em alguns pontos como testa, nuca, pulsos, pés e do lado direito, as manchas são diferentes daquelas do resto do corpo.

No santo sudário é possível ver as linhas de carbonização, os halos produzidos pela água, a ferida de prego no pulso esquerdo, a ferida no lado direito, o rosto, o sangue escoando pela testa e pela nuca, alguns sinais de golpes de chicote, os buracos produzidos pelo incêndio de 1532 e a planta do pé direito.

No entanto, apesar de o sudário ser venerado pela igreja católica, a autenticidade da peça tem sido alvo de inúmeras polêmicas.
O santo sudário de jesus em Turim na ItáliaEm 1973, o Vaticano liberou o sudário pela primeira vez para análises científicas e os resultados foram contraditórios:

  • o criminologista suíço Max Frei afirma que o tecido apresenta vestígios de pólen de plantas que existiam na Palestina no início da era Cristã;
  • em 1988, um consórcio de três laboratórios concluiu, com base no método de datação do carbono-14, que o tecido teria sido fabricado entre os anos de 1260 e 1390. Todavia, vários estudos indicam que o exame pode ter sido realizado de maneira inadequada;
  • em 1994, os químicos russos Dmitri Kouznetsov e Andrei Ivanov mostraram que o forte calor ao qual a peça foi submetida durante o incêndio de 1532 pode ter fornecido pistas falsas: o carbono gerado pelas queimas poderia ter se incorporado ao tecido, alterando o resultado do teste;
  • em 1995, foi descoberta uma espécie de verniz produzido naturalmente pelos fungos e bactérias do sudário, material que, de acordo com os microbiologistas Leoncio Garza-Valdés e Stephen Mattingly, também poderia ter afetado a datação pelo carbono-14;
  • ainda na década de 90, o químico Alan Adler demonstrou que, além dos vestígios de sangue, o tecido estaria impregnado de substâncias liberadas pelo organismo em situações de estresse, fortalecendo a tese de que o sudário teria sido realmente a mortalha de Cristo;
  • no começo deste século, o químico Raymond Rogers da Universidade da Califórnia afirmou que os testes de 1988 usaram amostras inadequadas e que o método de confecção do sudário indica que ele foi feito muito antes do século XIII.

E a igreja? O Vaticano não emite opinião acerca da autenticidade do sudário. Afinal, não cabe à igreja, mas à ciência descobrir se a peça é autêntica ou não.

Em que igreja de Turim está o sudário?

O sudário está guardado numa urna de alumínio na capela do sudário (cappella della sindone) dentro da catedral de Turim, a igreja de São João Batista. O sudário não está à mostra.
Turismo em Turim o santo sudário de jesus Na igreja São Lorenzo está exposta uma cópia do sudário.
A entrada nas igrejas é gratuita.
O santo sudário de jesus em Turim na ItáliaReferências: Catedral de Turim e http://mundoestranho.abril.com.br/materia/o-que-e-o-santo-sudario.
Ainda sem hotel? Faça a sua reserva para Turim, para Milão ou qualquer outra cidade do mundo por aqui. Se você fizer a reserva utilizando a caixa do Booking abaixo, nós ganhamos uma comissão, assim, além de você conseguir um hotel bacana, pagando menos, ainda dá uma força para recompensar o trabalho do blog sem pagar nada a mais por isso, aliás, quem reserva pelo Booking recebe desconto em cima do preço normal do hotel. Quanto antes você fizer a sua reserva, mais baixos serão os preços.



Booking.com

Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *