Dica de turismo: entre Milão e Bérgamo, encontra-se a bela Crespi d’Adda, patrimônio mundial da UNESCO desde 1995

by · 30/12/2014

Eu gosto muito de Bérgamo e volta e meia estou por ali. Além de ser pertinho de Milão, a cidade é um charme.
(Não deixe de conferir os artigos Turismo na Itália: de Milão a Bérgamo e Milão e arredores: roteiro de 1 dia em Bérgamo).
Este mês, encontrei um outro motivo para ir a Bérgamo mais vezes: Crespi d’Adda, uma linda aldeia operária, leia-se a mais completa e a mais bem conservada do sul da Europa, que integra a lista dos patrimônios mundiais da UNESCO desde 1995.
A vila operária de Crespi d’Adda conta a história de um homem rico, autoritário e teimoso que construiu um modelo ideal de vida e de produtividade. Basicamente, é uma viagem no tempo, no espaço e na arquitetura através de uma aspiração industrial utópica. É a crônica fascinante da ascensão e queda de um sonho.

Os galpões da fábrica

Os galpões da fábrica

Como ir de Milão a Crespi d’Adda: o mais fácil é ir de carro. O percurso tem aproximadamente 45 quilômetros, ou seja, em torno de 50 minutos de viagem, €2,90 de pedágio e €6 de combustível.
Para ir de transporte público, você primeiro deverá pegar um metrô (linha verde) com destino a Gessate. Em Gessate, terá que apanhar um ônibus (Z310) para Trezzo sul’Adda (última parada). Em Trezzo sul’Adda, um outro ônibus (TBSO) com destino a Crespi d’Adda e descer na segunda parada.

Um pouco de história: Tudo começou quando o industrial Cristoforo Crespi decidiu instituir um modelo ideal de vida e de produtividade: um pequeno feudo onde o castelo do patrão era símbolo tanto da autoridade, quanto da benevolência para os operários e suas famílias.

Castelo da família Crespi

Castelo da família Crespi

A ideia era dar a todos os trabalhadores uma casa com horta e jardim e fornecer todos os serviços necessários à comunidade como escola, igreja, centro esportivo, hospital, teatro, cemitério e lavadouros.
A fábrica têxtil e a vila operária foram fundadas em 1878 às margens do rio Adda.
A vila, construída com o intuito de acolher os trabalhadores ao redor da fábrica, resolvendo o problema de habitação e proporcionando-lhes os serviços imprescindíveis, foi inspirada, tanto na arquitetura quanto na ideologia, nos modelos britânicos das últimas décadas do século XIX.
Ideologicamente, a fábrica funcionava como uma grande família, na qual o empreendedor autoritário, a figura paternalista, estava sempre atento às necessidades dos seus filhos (operários) submissos e obedientes.

A fábrica

A fábrica

As casas dos operários

As casas dos operários

O sonho durou pouco mais de 50 anos, no entanto, a estrutura da antiga vila operária permaneceu praticamente inalterada até os dias de hoje.

Os principais pontos turísticos de Crespi d’Adda: a fábrica, a igreja, a escola, a arquitetura das casas dos operários, os lavadouros, a casa do médico, a casa do padre e a casa do patrão, ou melhor, o castelo da família Crespi.

A igreja

A igreja

A casa do médico e a casa do padre

A casa do médico e a casa do padre

A casa dos operários

A casa dos operários

A escola

A escola

Um dos lavadouros

Um dos lavadouros

Curiosidades acerca de Crespi d’Adda: foi a primeira aldeia italiana a ser dotada de iluminação pública.
Na escola de Crespi, quem pagava a conta era a fábrica, desde o material para os alunos até refeições, salários e alojamento para os professores.
Os moradores de Crespi, no início do século XX, podiam desfrutar de uma piscina coberta com duchas, vestiários e água aquecida.

Ainda sem hotel? Faça a sua reserva para Bérgamo, para Milão ou qualquer outra cidade do mundo por aqui.
Se você fizer a reserva utilizando a caixa do Booking abaixo, nós ganhamos uma comissão, assim, além de você conseguir um hotel bacana, pagando menos, ainda dá uma força para recompensar o trabalho do blog sem pagar nada a mais por isso, aliás, quem reserva pelo Booking recebe desconto em cima do preço normal do hotel. Quanto antes você fizer a sua reserva, mais baixos serão os preços.



Booking.com

TAG: Dica de turismo: entre Milão e Bérgamo, encontra-se a bela Crespi d’Adda, patrimônio mundial da UNESCO desde 1995

Artigos relacionados:

7 Comentários

  1. Michele Dadda S. disse:

    Olá meu sobrenome é Dadda, e certa vez me contaram a história e que minha família era vinda deste lugar e que ao ser registrada no Brasil, o escrivão não compreendeu que as pessoas vinham d adda e colocou esta palavra como sobrenome destas pessoas. Sou natural do Rio Grande do Sul, lá tem muitos Daddas e Dadas localizados principalmente na cidade de Osório, onde tem um morro onde reside muitas pessoas com este sobrenome, este local é chamado pelos moradores de Daddalandia.

  2. VeraLuciaCrespi disse:

    Por incrivél que parece, eu sou uma CRESPI e só agora que estou sabendo de toda minha origem, acho que devemos saber mesmo de onde vem nossas origens, estou muito feliz por saber que essa família tão maravilhosa CRESPI, deixarão uma história tão rica de sabedoria eu fiquei muito emocionada quando vi que os funcionários era tratados com muita generosidade, eu sei como isso deve ter feito tanta diferença para essas pessoas, que lindo CRESPI e assim de coração grande.

  3. Alexandre disse:

    Cristoforo Crespi é pai de Rodolfo Crespi, seu quarto filho, que em principios do século 20 fundaria no bairro da Mooca em São Paulo o Cotonificio Rodolfo Crespi, tendo se tornado uma das maiores indústrias texteis do Brasil a sua época. O prédio da fábrica ainda existe.

  1. 03/02/2015

    […] O palácio foi construído por Cristoforo Crespi (o excêntrico industrial que construiu a aldeia operária Crespi d’Adda) no final do século XIX para as férias de verão da família. Desde 1999, funciona como hotel de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *